O ser que não é

Image

 

Sou a beleza na desordem. Sou a falta de métrica. Sou o verso livre, verso branco, verso maculado, verso que grita, verso que pede, pede, pede e quer mais de si, de mim e de todos os transeuntes.

Sou a gula, sou aqueles desejos, aqueles que começam aos poucos, aqueles que começam com parcelas baratas e vão ficando caras, pesadas, urgentes. Sou aquele desejo pungente, aqueles desejos que ninguém parece admitir ter, eu sou o secreto. Eu sou tua boca sacana me escondendo em promessas de um amor intenso, suculento.

Sou a capacidade de me por louca ao longo de um dia fatigante, louca por tantos e em tantos afazeres. Louca em ocupações tão triviais, louca por uma rotina que nunca existe, só se planeja. Louca por não conseguir seguir nos trilhos, louca, louca, louca. Loucamente solitária nesses dias tão corridos.

Afinal, sou minha vida, e esta vida aqui parece ter sido esquecida nos extremos de uma alma solitária. SOS! Eu sou demais para mim mesma, eu sou demais para qualquer quantificação e se muitas vezes me comporto tão racionalmente, pareço normal externamente, é pelo fato do meu interior abrigar muito mais, máquinas trabalham, engrenagens são lubrificadas. Lubrificadas eternamente por uma mente que não deixa escapar um parafuso sequer. Eu sou o que vejo, e  o que eu vejo você não vê.

Sou os extremos.  Sou aquela que segue de acordo com o ritmo da melodia que está começando a ser musicada para o piano.  Sou aquela que no meio da música puxa um mambo, um tango, um beijo, um movimento inusitado, um olhar furioso. Sou aquela que prefere ver a beleza em todos os ritmos, sou aquela que dança por dentro e por fora sente A Vontade.

Eu sou a ÂNSIA. ÂNSIA. Por ti, pelo teu tatear na tatuagem que eu não tenho, pelo meu tato em teu torso, pela tua saliva. Pelo teu corpo. Pela tua vida. Pelo seu sangue. Pela tua palavra. Sou a sede por tudo que nunca me apresentarão no cálice dessa vida fragmentada. Eu sou um novo conceito que vocês se recusam a aceitar. Eu sou o novo no meio que anciãos. Eu sou o que eu escolher por dentro. Eu sou apenas mais uma ridícula. Eu sou apenas mais uma utopia. Eu sou uma vontade. Eu sou uma possibilidade.

Eu sou o começo do que eu gostaria de me tornar. Eu sou nada.

E eu só tenho o nada a oferecer.

E dessa nada brotam lágrimas doces, do doce de quem já deixou que fosse. Vá!

(POESIA PROSEADA, VIDA ROMANCEADA – Bruna Alencar)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s