A Menina Com Coração de Porcelana

gfhdf

A menina com coração de porcelana
deixou seu cheiro no meu corpo de pó
colocou seus seios no meio dos meus travesseiros
me pediu sexo com gosto de calma
e sentiu o luzir dos meus olhos
de uma cor límpida, nas curvas da visão.

A menina com o coração de porcelana
educou os pés para o silêncio
aprendeu a me amar baixinho,
a deixar em paz os passarinhos
a deixar em paz a mim, amou-me
mas foi bem devarinho, nas Quintas do afago.

A menina com o coração de porcelana
andou pelas veredas dos meus medos
de forma tão silente que não permitiu
que eu sou notasse o espaço que já ocupara
Ciente da sua marca, apenas me banhou
com seu corpo, nas madrugadas de tesão.

A menina com coração de porcelana
sorriu no meio do sonho do sono
Decretou o descanso das minhas pálpebras
Misturou sua pele com a minha
Não deixou que eu perdesse a hora
para a vida, nas vezes que eu fora amargo.

A menina com coração de porcelana
cantou Gil e Caetano enquanto eu passava café
cedeu às minhas queixas pela sua presença
quebrou seu método e tirou suas segundas roupas
desceu as escadas das regras
cobriu me de verdade, nas sombras de um clarão.

A menina com coração de porcelana
tão pouco me pedia, do tanto que me dava
seguia certa de suas escolhas, apenas recitando
um mantra para um tango vestido às pressas
“não machuca meu peito, não deite dor
na cidade submersa que eu te deixei entrar”.

Então, da menina com o coração de porcelana
eu apenas ria, certo de que também deveria
ter uma cérebro de gente insana
gosto de rosa louca, dos errantes
inconvenientes e inocentemente prontos
para o amor à qualquer tempo.

Então, um dia, por descuido ou revelia
Eu deixei o coração cair
Não tentei sequer usar as palavras como cola
Apenas varri os cacos dos anos
e fragmentos de um amor soturno enquanto ela partia
e me convenci que magoava apenas à si.

Então, na curva da poesia, eu soube que emudecera
Sem ela as palavras voltavam para o poço da simpatia
Pois a porcelana era a receita da delicadeza
Imprimindo sua leveza nas asas da esperança
Me ensinando idiomas que eu não conhecia
Sem ela não haveria mais pernas para as andanças.

A menina com o coração de porcelana
Sempre incerta de meus sentimentos
Ou certa de sua ausência
Hoje não sabe quanto escorre pela fenda dos meus olhos
quando eu lembro que o cheiro do amor é fragrância
insubstituível e, infelizmente, tarde reconhecida.

(Primeiros Poemas – Bruna Alencar)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s