bcv

Das chagas, dos panos
Dos puros enganos
Um mero tear
De volta me ponho
Um anjo risonho
Uma ode ao gozar.

Sorriso tão claro
Um lenço, um laço
Um sol sustenido
Um sopro de viço
O avesso do estar.

Espaços inertes, viagens caustrofóbicas
Olhos etéreos e ventre quente
Tropeço das ciências, abrigo dos rótulos
Não sente o discurso, palavras soltas
Vãs
compõem o fascínio
A medida da minha luz. Palavras.

Mas te doi
Vez que se ressente quando o pedido é por mais
Mais substantivos abstratos
Diz-me, meus adjetivos
Sãos
Compostos ou primitivos?

Paixão em metástase, o corpo só
Pende
Pende
E pede socorro.

(Primeiros Poemas – Bruna Alencar)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s